Chá das cinco na Quinta do Jade


Bistrô Petit Palais


Brinquedoteca no Museu Imperial


Orgânicos em prédio histórico aos sábados, em Petrópolis. aos Domingos, na Sede da APA, em Itaipava




























Grupo cavalga no Vale do Cuiabá


Ruy Avancini em uma das trilhas de Itaipava


Um dos jipes dos Consultores de Aventura


Paulo Tonnel pretende dar aulas no Parque Municipal de Petrópolis

























Fernando e Maristela no Sítio Piraju

Fotos: Henrique Magro


Capa

Estação Inverno

    O termômetro favorece o clima intimista. Casacos e roupas de lã dão um toque de charme, enquanto vinhos, sopas, queijos e pães, à mesa, colorem a cena, tipicamente de inverno. A estação é um convite. Reuniões caseiras, passeios, pousadas aconchegantes, restaurantes, bares, casas de chá e delikatessens repletas de bebidas quentes e dos mais variados acepipes são tema e cenário para mil e uma noites e dias de frio.
    Por isso, a Estações de Itaipava preparou um roteiro especial para a temporada na serra petropolitana. Nele, turistas, moradores e freqüentadores habituais encontrarão motivos de sobra para sair ou ficar no aconchego, dependerá da inspiração de cada um. As sugestões para um inverno caloroso, cheio de história, natureza, divertimento, conforto e boa mesa são muitas. Afinal, estamos em Petrópolis.


Algumas dicas
    No quesito pousadas e restaurantes, a oferta é numerosa. Uma boa pedida para quem não tem lugares e points definidos na região é procurar os Centros de Informação Turística. Existem três em Petrópolis e um em Itaipava. Neles, é possível obter guias e folhetos com as pousadas do município e os serviços que oferecem. As opções de restaurantes, bares e casas noturnas também são abrangentes e podem ser conferidas em folhetos específicos sobre o tema. Consulte também o site www.petrotur.com.br e veja as seções ‘Hospedagem’, ‘Ao sabor da estação’ e ‘Onde Encontro?’.
    Como a temporada é ideal para uma visita às casas de chá, uma sugestão é a Pousada e Casa de Chá Quinta do Jade, em Itaipava. Lá o serviço é requintado, com direito a samovar, louça fina e as mais variadas opções de chás, pães, sanduíches, bolos, tortas e biscoitos. No Império do Sonho, também em Itaipava, focaccias, croissants e pães recheados disputam a preferência dos clientes, enquanto na Katz, em Petrópolis, é possível saborear um capuccino ou chocolate quente acompanhado das tradicionais torradas Petrópolis, servidas com manteiga, mel e geléia.
    Outro destaque na estação é a Escola do Café e Cafeteria Gourmet, em Itaipava. Além de formar baristas – profissionais especializados em servir e degustar a bebida –, oferece workshops para quem deseja abrir uma cafeteria, ou simplesmente conhecer e servir o verdadeiro café. Paulo Tassinari especializou-se na Itália e nos Estados Unidos e é produtor rural. Em sua fazenda no Brejal, distrito da Posse, cultiva o café gourmet, para exportação, e utiliza somente os grãos selecionados na loja, onde serve diversas receitas com café e vende utensílios importados para se preparar a bebida em casa. Quando o assunto é onde comprar vinhos, queijos, frios e outras delícias, não faltam delikatessens bem sortidas em Petrópolis e seus arredores. Indicamos aqui as principais e o ponto forte de cada uma delas:
Petrópolis – D’Ambert (a variedade de queijos importados, principalmente italianos, franceses e holandeses é o forte da casa, há 25 anos em Petrópolis. Abriu recentemente uma filial em Nogueira).
Corrêas – Picadilly (vinhos, frios e um delicioso bolinho de bacalhau, sucesso na casa há 20 anos).
Itaipava – The Place (grande variedade de vinhos com ótimos preços); Expand Wine Store (o sommelier Dionísio Chaves oferece 500 rótulos das mais variadas nacionalidades e dá dicas ao cliente); Le Petit Lidador (a tradicional casa do Rio subiu a serra, tem ótima adega, sempre vinhos em promoção e entrega em domicílio, sem taxa adicional); Serra e Campo, no Hortomercado Municipal (vende uma deliciosa cachaça, além de requeijão em barra, massas congeladas e frios), Ailton e Filhos (o ótimo atendimento de Seu Ailton e dos três filhos conquista os clientes. Variedade e bom preço em bebidas; carnes para churrasco); Deli Tambo (lá se encontram vinhos, frios e boa variedade de produtos da região, como geléias, pães e chocolates);
Araras – Ary (vinhos, petiscos, sobremesas e biscoitos caseiros, além de jornais e revistas); Cafeteria Estação (o chamariz são os pães pré-assados e congelados da Brico Bred, de São Paulo, deliciosos)
Vale das Videiras – Empório Maria Comprida (as batatinhas Yshida, as compotas do Sítio Humaytá e as empadinhas de queijo são disputadas)

História, natureza e aventura
    Nos Centros de Informação Turística, o visitante obtém folhetos e guias com informações e dicas sobre ecoturismo, compras e passeios, no Centro Histórico e em todos os distritos. Em Petrópolis, uma sugestão é reservar uma tarde para o Museu Imperial. Além da riqueza do acervo histórico, o museu ocupa uma área belíssima. Lá o visitante poderá tomar um chá ou mesmo experimentar receitas baseadas na gastronomia do século XIX, no bistrô Petit Palais. Em anexo, uma brinquedoteca com recreadora diverte as crianças e explora sua criatividade em oficinas de arte, culinária e folclore, entre outras. À noite, o espetáculo Som e Luz Petrópolis mescla história e tecnologia, encerrando um programa imperdível para quem sobe a serra. Outra boa pedida na Cidade Imperial, além da ronda obrigatória pelo Centro Histórico, belo e riquíssimo (que pode ser feita em simpáticas charretes, que ficam em frente ao Museu), é uma visita à loja de produtos orgânicos Venda do Sítio. O espaço é uma graça e as mercadorias (de hortaliças a cereais, além de cachaça e vinho), são produzidas seguindo a prática da agricultura ecológica, sem agrotóxicos e adubos químicos. Bem perto dali, no estacionamento da Casa do Barão de Mauá, uma feira livre vende, todos os sábados de manhã, verduras e legumes orgânicos de agricultores da região.
    Em direção aos distritos, uma sugestão são as trilhas para caminhadas, ciclismo e cavalgadas. O inverno é a estação perfeita para essas modalidades de ecoturismo e o Campo de Aventuras Paraíso Açu, a Açu Expedições e Ecoturismo, ambas em Corrêas, e os Consultores de Aventuras, em Itaipava, disponibilizam guias especializados e oferecem todo tipo de turismo aventura - trekking, rapel, arvorismo, paintball, cabo aéreo, escalada em rocha, passeios ecológicos de jipe, entre outros – além de colônia de férias. Petrópolis se destaca pelas mais variadas e atraentes opções de ecoturismo e turismo aventura.
    Os passeios de jipe, organizados pelos Consultores de Aventura, exploram trilhas em Araras, Secretário e no Rocio. O roteiro pode durar de três a sete horas, caso se queira parar para almoço, e o jipe comporta quatro passageiros. Quando o assunto é ciclismo, quem já possui o aparato necessário para longas pedaladas pode acompanhar o grupo que sai, todos os domingos, às 8h30, de Itaipava. O ponto de encontro é a loja Montanha e Aventura. Dali, o proprietário e ciclista profissional Ruy Avancini parte com adeptos do esporte para circuitos – gratuitos – pelas mais variadas e belas trilhas da região. O interessado pode obter mais informações na própria loja, de segunda a sábado. Se a opção forem as cavalgadas em excelentes animais, os haras Analu e Fazenda do Moinho organizam passeios em grupo nas trilhas do Vale do Cuiabá, em Itaipava.
    Quem pretende experimentar algo diferente na estação pode se aventurar em vôos de parapente. É adrenalina pura. O instrutor Paulo Tonnel faz vôos duplos, dá cursos e aulas básicas para iniciantes. Petrópolis possui três rampas de salto, nos bairros Siméria, Morin e Quitandinha. “As condições de vôo em Petrópolis superam as dos outros municípios serranos. Por isso estou solicitando à Prefeitura a construção de uma rampa no Parque Municipal de Petrópolis para dar aulas básicas de parapente”, explica Tonnel. O preço do vôo duplo, que pode durar de 15 minutos a duas horas – depende do vento e da disposição do aprendiz – custa R$ 80 e inclui o equipamento e o transporte para subir a serra depois do pouso, que pode ser em Xerém ou Magé, no pé da serra.

Pelos caminhos do Brejal
    No distrito da Posse, a 50 minutos de Petrópolis, o turista terá a oportunidade de percorrer o belo Circuito Eco-Rural Caminhos do Brejal. Trata-se de uma região onde proprietários de terra abriram as portas de suas casas para revelar ao público o cultivo de bromélias; a degustação e o cultivo de shiitake; a criação de trutas, onde os visitantes podem comprar o peixe limpo e temperado, assim como é vendido para grandes restaurantes do Rio; o plantio de ervas finas e de produtos orgânicos; a produção de mel e queijos, além de artesanato. É o primeiro modelo de circuito rural do município, uma iniciativa da prefeitura em parceria com o Sebrae.
    São 20 quilômetros de extensão, totalmente sinalizados, partindo do Sítio Piraju. Lá o casal Maristela e Fernando oferece um lanche com produtos da região e dali os condutores de turismo acompanham os visitantes, que podem fazer o circuito a pé ou de carro. No entanto, para conhecer as 14 propriedades o ideal é fazer a visitação em dois dias e pernoitar nas pousadas. No Caminhos do Brejal existem três opções de hospedagem e quatro restaurantes.
“O projeto está movimentando a economia local. Promove cursos de capacitação e já emprega cerca de 100 pessoas, de 16 a 70 anos de idade, além de conscientizar sobre a preservação ambiental. Aqui praticamos o desenvolvimento sustentável”, esclarece Maristela. Para marcar a visitação, individual ou em grupo, e saber como se chega ao Brejal, é só ligar para o Sítio Piraju. Conheça as propriedades que fazem parte do circuito no site: www.caminhosdobrejal.com.br


Estações de Itaipava © Todos os direitos reservados