Fotos: Henrique Magro


Mexa-se

Sonho de Ícaro

    Siméria, Morin e Parque São Vicente. Não é qualquer cidade que possui três rampas para a prática do vôo livre. No Estado do Rio somente Petrópolis apresenta tal atrativo, o que vem conquistando atletas à procura de bons ventos para treinos e curiosos em busca da experiência do vôo duplo na serra petropolitana. Afinal, daqui é possível saltar de até 1.450 metros de altura em relação ao nível do mar, enquanto da rampa da Pedra Bonita, em São Conrado, no Rio, salta-se de uma altitude de 500 metros. Seja de parapente ou de asa-delta, brincar de Ícaro por estas paragens é mais emocionante do que se imagina.
    “Em Petrópolis, temos três rampas e quatro quadrantes de vento diferentes, além de boas condições térmicas. Por isso, aqui o vôo é tecnicamente superior ao praticado no Rio, e com paisagens tão bonitas quanto as de lá”, explica o presidente do Petrópolis Vôo Clube (PVC), Altamir Simonette da Rosa, piloto de parapente.
    Por essas condições, o vôo livre é praticado em Petrópolis há mais de vinte anos e atrai cada vez mais adeptos. Pilotos vêm treinar para competições na região, pela altitude das rampas (Morin, 1.450 m; Siméria, 900 m e Parque São Vicente, 850 m) e devido à possibilidade de ventos propícios diariamente. “Aqui temos sempre vôo bom”, complementa Altamir.
    A prática do vôo duplo como opção de lazer, para os mais aventureiros, também se beneficia dessas características. Na cidade, existem dois instrutores autorizados para a prática do esporte com licenças homologadas pela Associação Brasileira de Vôo Livre (ABVL), subordinada ao Departamento de Aviação Civil (DAC).
    Fábio Arantes, piloto e instrutor de vôo em asa-delta, há seis anos realiza vôos duplos em Petrópolis. Segundo ele, um vôo aqui pode se prolongar por até duas horas. “Na Pedra Bonita, o vôo dura no máximo 15 minutos”, explica. Experiente, com mais de dez anos de prática em pilotagem de asa-delta, garante que qualquer pessoa pode curtir a aventura do vôo duplo, em asa como em parapente, desde que conduzido por piloto (de duplo) homologado pela ABVL.
    “A homologação garante que aquele piloto passou pelos critérios de avaliação da Associação e está apto a voar e a conduzir outra pessoa com total segurança”, explica. Em Petrópolis, somente Fábio Arantes e Flávio Dias, piloto e instrutor de parapente, ambos donos de escolas de vôo livre, estão homologados para a realização de vôos duplos. Para essa incrível aventura, piloto e passageiro usam capacete e pára-quedas, além de um rádio comunicador.
    Os pousos ocorrem em Xerém ou em Fragoso, na Raiz da Serra. Em Petrópolis, não há área autorizada para aterrissagem, por isso o passeio inclui o retorno para a cidade em carro contratado pelo instrutor. No caso da asa-delta, o vôo ainda pode ser filmado ou fotografado.

Vôos duplos em asa delta:
Fábio Arantes
Telefones: (24) 2243-2151 / 9276-6577
atmosferavoolivre@bol.com.br

Vôos duplos em parapente:
Flávio Vieira Dias
Telefones: (24) 9257-2557




Estações de Itaipava © Todos os direitos reservados