Pinturas decorativas de Dominique Jardy, em residência em Araras: a artista adora a flora e a fauna brasileiras

Telhas temáticas de Leila Sá Peixoto


Efeito especial em parede, com quadro da paisagem carioca (nele, o entorno da Baía de Guanabara é feito com chips de computador)


Quarto de dormir romântico, com pintura em parede: obras da artista Leila Sá Peixoto


Fotos: Henrique Magro



Lar, doce lar

Arte para decorar

    Muitos desenhos remetem à temática naturalista; outros se aproximam do realismo ou da pop art. Alguns, ainda, brincam com os olhos, criando ilusão de profundidade e de relevo. Todos, sem dúvida, encantam o olhar e embelezam ambientes, revestindo paredes e fachadas, adornando pisos, tetos e móveis. Trata-se da pintura decorativa, arte de criar desenhos únicos e personalizados em suportes variados e inovadores.

    Nessa arte decorativa, Dominique Jardy é conhecida mundialmente. Sua pintura, em estilo claramente naturalista, lembra as aquarelas dos franceses e holandeses que retrataram a fauna e a flora nacionais. Seu trabalho, caracterizado pela beleza e apuro técnico, recobre pisos, tetos, paredes, fachadas e móveis em residências, espaços comerciais, hotéis e prédios governamentais, como a Embaixada do Brasil em Praga. Celebridades como o bailarino Rudolf Noureyev, que a contratou para pintar cômodos de seu apartamento em Paris, encomendam as pinturas exclusivas de Dominique para decorar seus imóveis.
    A obra dessa francesa, formada em pintura decorativa pela Escola Van der Kelen, de Bruxelas, radicada no Rio há 20 anos, pode ser vista em ambientes diversos por todo o país, e nos Estados Unidos, Itália, França, Marrocos e Tóquio. No Brasil, seu trabalho recobre paredes de diversas alas do Copacabana Palace e também de butiques e restaurantes. Em Petrópolis, fez pintura decorativa nas paredes do restaurante do hotel Solar do Império, no Centro Histórico, e trabalhos em diversas residências. Recentemente, pintou a fachada de uma antiga fazenda de café no município de São José do Vale do Rio Preto.
    “Cada vez mais me dedico à temática tropical, com propósito decorativo, pois sou apaixonada pelas cores do Brasil. Aqui fotografo plantas, animais, paisagens e utilizo basicamente essas imagens nas pinturas. Por trabalhar com uma pintura de encomenda, única, personalizada, também gosto de utilizar algo da vida do cliente e de sua família como tema do desenho”, explica a artista.
    Segundo Dominique, o segredo da pintura decorativa, que pode explorar temática variada, seguir diferentes correntes estéticas, utilizar muitas técnicas e ser aplicada sobre diversos suportes, é não cansar o olhar do observador. Em uma residência, por exemplo, ela deve agradar a família e refletir a personalidade do cliente, além de não destoar da decoração do ambiente.
    “Dependendo do tema e do suporte, além da pintura, utilizo gesso ou cera, para produzir diferentes texturas”, acrescenta ela. Caso o cliente queira transferir a pintura de lugar, o desenho pode ser feito sobre telas de algodão. “Importo, da França, telas cenográficas com até cinco metros de largura. Estico e colo-as sobre a parede. Elas não enrugam, mesmo com o tempo, e podem ser transpostas”, completa a artista.
    A pintura decorativa, por ser personalizada, feita sob medida, requer sensibilidade do autor para captar o que o cliente deseja. Na opinião da artista plástica e jornalista Leila Sá Peixoto, a adequação ao ambiente e ao suporte disponibilizado para a pintura, além do motivo escolhido, definirá o estilo e os materiais utilizados.
    “Na casa de uma cliente no Leblon, um imenso espelho estava com uma grande rachadura. Sobre essa trinca, com cola e tinta, desenhei uma ramagem. Ninguém percebia o defeito no espelho”, exemplifica a artista, que tem nesses efeitos especiais um de seus temas preferidos.
    Intuição à flor da pele, Leila é uma artista polivalente, livre de convenções, tanto que aproveita todo tipo de material em seus trabalhos, de tampas de perfumes a telhas e chips de computador. “Meu trabalho é múltiplo, não tenho estilo definido porque abordo todos, dependendo do que os materiais inspirarem”, ressalta.
    Sua irreverência artística, entretanto, é calcada em formação acadêmica. “Mas minha pintura foge ao academicismo. Tenho paixão por pintura em parede em quarto de criança, por exemplo, isso me inspira. Fiz um painel para uma sala de cinema na Mastercasa, no Rio, e trabalho atualmente em um painel de cinco metros, no qual retrato as várias gerações de uma família”, acrescenta Leila, que se define como uma artista em ebulição. Afinal, segundo ela, pintura decorativa é aberta a múltiplos talentos.

Dominique Jardy
Telefones: (21) 2205-8287 / 9971-6098
www.atelierdomjardy.com

Leila Sá Peixoto
Telefones: (24) 2222-3436


Estações de Itaipava © Todos os direitos reservados