Brotos de alfafa prontos para o consumo







Sementes em germinação no galpão da Brotos Sprout’s, em Itaipava: primeira produção do Brasil



Sementes de lentilha, feijão moyashi, brócolis, trevo e mostarda, cultivadas na Sprout’s com água de nascentes


O produtor rural Marco Antonio Almeida acredita na expansão do consumo, pela riqueza nutricional dos brotos

        Fotos: Henrique Magro

Negócios nas alturas

Germinação milagrosa

    Dizem que Madonna adora comê-los. A atriz Demi Moore é consumidora voraz. Anônimos bem informados também sabem que consumi-los é garantia de queima de calorias e de combate aos radicais livres e ao mau colesterol. Por isso, incluí-los na dieta diária não é exclusividade somente de quem vive às voltas com a ditadura da boa forma, ou dos naturebas. Por serem ricos em enzimas, minerais, vitaminas e proteínas, os brotos, sementes germinadas, representam uma categoria de alimentos vivos que ganha novos adeptos a cada dia. Introduzidos no Brasil, inicialmente, por atletas praticantes do vôo livre e do surfe, foram produzidos de forma pioneira no país em Petrópolis, há 22 anos. Desde 1983, Itaipava abriga a Brotos Sprout´s.

    Alfafa, trevo, mostarda, brócolis, rabanete, feijão, lentilha. Delicados, alguns de sabor picante, os brotos integram a dieta dos chineses há quatro mil anos. Reza a lenda que, na Antigüidade, os navegantes fenícios espantavam o escorbuto com o cultivo de broto a bordo de suas embarcações. Na película futurista Armageddon, o ator Bruce Willis devora brotos de maneira deliciosa, como recheio de um sanduíche. Há 20 anos, o campeão de vôo livre Pepê fez do consumo de brotos um modismo que perdura até hoje no Rio.
    “Os brotos são fontes inestimáveis de vitaminas A, B, C, D, E, G, K, U, aminoácidos, sais minerais e carboidratos. Por serem sementes em fase de germinação, a concentração de nutrientes neles é de 300 a 600 vezes maior do que na planta adulta”, explica Marco Antonio Franco Almeida, produtor rural, dono da Brotos Sprout´s desde 2002. Ele comprou a produção pioneira de Márcio Mendes Pimentel, praticante de vôo livre e amigo de Pepê.
    Em dois anos, Marco Antonio modificou o perfil da produção, antes focada na venda para lojas de produtos naturais. Ampliou o leque de clientes no atacado e os pontos de venda na Zona Sul do Rio, região de maior consumo. Hoje vende os brotos Sprout´s para a rede Hortifruti, Horta Verde e Mundo Verde.
    No varejo, os destaques são a rede Frango Bip, em Petrópolis, os restaurantes por quilo do Centro do Rio e, na Zona Sul, Celeiro, Gula Gula, Fontes e Delírio Tropical, entre outros. Além, é claro, da fábrica de sanduíches Pepê, fiel e mais antiga consumidora. Com estratégias como produção em escala e adequação do produto ao público consumidor (embalagens mais modernas, fáceis de ir à mesa), tornou-se o maior produtor do Estado.
    “Acredito nesse produto, vendo algo que faz bem às pessoas. O broto de alfafa, por exemplo, é o vegetal mais rico em clorofila do mundo. Conhecida como sangue verde, a clorofila contribui para melhorar a oxigenação do sangue”, esclarece Marco Antonio, economista radicado no Rio e adepto da alimentação saudável desde a infância, quando consumia produtos da horta familiar, em Goiânia.
    Instalada em terreno cercado de mata atlântica, com três nascentes de água, a Brotos Sprout´s, de fato, se resume a um grande galpão repleto de estruturas tubulares, onde, em bandejas suspensas, são cultivados brotos de vários sabores. Aparentemente, não se imagina que, naquele espaço, são produzidos, com sementes e água, 1,5 tonelada de brotos, mensalmente.
    Segundo a especialista em medicina natural Isabel Antunes Joffe, uma das sócias da rede Mundo Verde, o consumo de brotos é extremamente valorizado na Europa e nos Estados Unidos, tendência em ascensão no Brasil. “A germinação de um grão corresponde a um processo pré-digestivo. Assim, quando consumido, o broto torna-se de fácil absorção, ideal para quem sofre de problemas digestivos. São repletos de fitohormônios e de antibióticos naturais, além de conterem altas doses de ácido fólico, vitaminas e sais minerais”, argumenta Isabel.
    De acordo com Ana Carolina Magalhães, nutricionista do restaurante Celeiro, os brotos se alimentam de um estoque próprio de nutrientes destinado ao embrião da planta. O resultado é uma fonte nutricional muito rica e saudável. “Os brotos possuem baixíssimo valor calórico, não precisam de cozimento e podem ser adicionados a sopas, massas de pão, pratos quentes, saladas e sanduíches”, acrescenta.
    Longe de significar um modismo passageiro ou de ter seu consumo remetido à idéia de prato de verão, os brotos são sinônimo de saúde. “Por sua riqueza nutricional e por não receberem qualquer tipo de fertilizante, devem ser incluídos na dieta diária”, sugere Marco Antonio.


Estações de Itaipava © Todos os direitos reservados