Uma das grandes atrações do sítio é a simpática lhama (Lama glama), ruminante típico dos países andinos, onde é utilizado no transporte de carga, produção de lã, carne e couro. De acordo com Abílio – que exibe orgulhoso um casal de sua criação – serve também de montaria e suporta um “cavaleiro” de até 80 Kg


O empresário Abílio Rodrigues também cria e comercializa gamos (Dama dama), fontes de inspiração para o famoso Bambi, eternizado no longa-metragem de animação dos Estúdios Disney. A espécie – muito dócil, embora arredia – é originária de bosques, florestas e matas europeias. Hoje pode ser vista em parques públicos e privados de todos os continentes. Apenas os machos da espécie possuem chifres


O Cervo Nobre (Cervus elaphus), um dos animais disponíveis no Sítio Oásis, é originário da Ásia, Europa e América do Norte e ocupa grande variedade de habitats, como florestas, campos e montanhas. São animais dóceis e de hábitos diurnos. Sua coloração varia de acordo com a estação do ano, idade e sexo. Os filhotes apresentam manchas brancas que vão desaparecendo na medida em que o animal vai crescendo; os adultos, que chegam a pesar até 340kg, apresentam coloração amarronzada com a parte superior mais clara

A alpaca (Vicugna pacos), que tem parentesco distante com a lhama, também tem sua origem nos Andes. Seu porte é menor e sua pelagem é mais longa e macia. A criação, para o aproveitamento da valorizada lã, também é bastante comum nos países andinos e, assim como a lhama, é bastante dócil e tem o hábito de cuspir como método de defesa. Outra característica que compartilham é o período de gestação dos filhotes, que dura 11 meses

Apesar do porte e de um certo ar ameaçador, o búfalo é, segundo Abílio Rodrigues, um dos bovídeos mais dóceis do mundo

De orelhas curtas e pelagem comprida com diferentes cores e tonalidades, o coelho da raça Lion tem pequeno porte e não requer muito espaço. Também conhecido como Mini-Lion, o animal tem temperamento calmo e sociável e vive, em média, entre 7 e 8 anos





Pavões (Pavo cristatus) de diferentes origens e plumagens também fazem parte da criação. As belas caudas dos machos são abertas como um leque apenas nos períodos de acasalamento, que ocorrem de julho a dezembro, como forma de atrair as fêmeas

Entre as aves do sítio, está o exótico emu (Dromaius novaehollandiae), maior ave nativa da Austrália. Seu habitat natural são as áreas menos povoadas do continente e, embora tenha pequenas asas escondidas sob as penas – assim como o avestruz, também integrante do plantel do sítio –, não pode voar





Foto: Henrique Magro


Especial

Um oásis diferente



     Uma das melhores coisas da região serrana do Rio de Janeiro é que nunca faltam boas surpresas por aqui. Em cada um de seus cantinhos é possível descobrir algo que nunca havíamos imaginado existir tão perto. Foi na fronteira entre o distrito petropolitano da Posse e o município de Areal, em meio a duas áreas de concentração urbana, que desta vez encontramos algo tão inusitado quanto encantador: o Sítio Oásis, um criatório de animais domésticos e ornamentais.
     Nesta propriedade de 8 alqueires, o empresário Abílio Carlos Sanseverino Rodrigues cria e comercializa mamíferos e aves de diferentes tipos e origens. Como uma ver­são minimalista da Arca de Noé em terra firme, ali convivem pacificamente, muitas vezes dividindo um mesmo espaço, lhamas, alpacas, cervos, pôneis, mini-vacas, carneiros, búfalos, coelhos, avestruzes, emus, pavões, faisões, gansos, marrecos, patos e galinhas ornamentais.
     A fauna do sítio reúne cerca de 200 animais que, mesmo sendo de espécies e famílias tão diferentes, encontram no lugar um ambiente ideal para viver com conforto. Prova disso é a docilidade apresentada pela maioria, que não se abala com a proximidade das pessoas, mesmo as que lhes são totalmente estranhas. “Uma vez domesticados, eles se acostumam rapidamente às pessoas”, assegura Abílio, que tem entre a maior parte de seus clientes as pousadas e os sítios da região.
     O empresário petropolitano, que chegou a cursar três anos da faculdade de Veterinária e se dedica à criação há 25 anos, onze deles em Areal, não apenas vende os bichinhos, mas oferece uma completa consultoria no pós-venda para garantir que as crias do sítio recebam tratamento adequado no que concerne aos mais diferentes aspectos que assegurem sua qualidade de vida, além de criar condições para que continuem a procriar.
     “Quando o animal não reproduz é um sinal de que algo não vai bem e vários fatores — como a inadequação de instalações, manejo, alimentação, vacinação e vermifugação — podem contribuir para isso”, afirma o criador.
     O criatório não é aberto à visitação do público em geral, mas, mediante agendamento prévio, o empresário recebe interessados em levar para casa uma das crias do sítio. Todos os animais do Sítio Oásis são certificados e quem adquire filhotes do criatório leva o registro correspondente a seu animal, além de conhecimentos gerais sobre a espécie escolhida, em uma verdadeira aula ministrada por Abílio.

Sítio Oásis:
(24) 2257.1516 | (24) 8812.5655

Voltar Próxima matéria


Estações de Itaipava © Todos os direitos reservados