Substância e frescor: a restaurateur Adelaide recomenda para a temporada de verão a salada Farfarelo (rosbife de filé mignon, alface americana e crespa, palmito e muzzarella de búfala), que serve a duas pessoas, como entrada ou prato principal.

O ambiente acolhedor do Farfarello inclui vista do salão principal para a cozinha através de janela de vidro.


Fotos: Henrique Magro

Ao sabor da estação

Longa vida ao Farfarello!



     Ao inaugurar em Itaipava, em novembro de 1985, o restaurante com o nome inspirado em uma figura mitológica e cozinha típica das mamas italianas, os proprietários da casa talvez não imaginassem que a combinação fosse dar tão certo. Afinal, naquela época podiam-se contar nos dedos de uma única mão os espaços dedicados a acolher a boa gastronomia na região. Mas parece que o danadinho do duende contribuiu com uma pitada de magia para a receita que faz sucesso por aqui há 25 anos. O restaurante, que em novembro de 2010 comemorou bodas de prata, mantém desde então um bem sucedido casamento com o público.
     A fórmula para tamanha felicidade conjugal é simples: administração eficiente, equipe comprometida e, claro, boa comida. A atual proprietária Adelaide Freitas - que iniciou o negócio com o já falecido marido Olímpio Pimentel (uma figura emblemática de Itaipava, com seu característico bigode e a recepção sempre calorosa aos cientes) e o ex-sócio Luiz Galli (responsável por fornecer as tradicionais receitas de sua mama) - faz questão de frisar a importância do time quando o assunto é a gestão.
     “Desde que assumi o restaurante integralmente, há quatro anos, toda a equipe tem sido fundamental para nosso bom funcionamento. Tenho funcionários que estão aqui desde a inauguração e conhecem o negócio a fundo. Além dos dois gerentes, André Cordeiro e Rogério do Nascimento, que me ajudam bastante, todo o pessoal é dez ”, elogia.
     Como convém a uma casa que prima pela tradição, poucas mudanças foram realizadas no Farfarello ao longo desse quarto de século. Mas uma delas, um mimo especial para enólogos e apreciadores de vinho em geral, foi a implantação, há cerca de quatro meses, de uma adega climatizada: “é um conforto a mais para os clientes, que podem apreciar os vinhos, especialmente os tintos, na temperatura ideal”, diz Adelaide.
     Para garantir a fidelidade, a alma do restaurante - ou seja, a cozinha - é transparente. De um dos salões, os comensais podem observar o preparo dos pratos através de uma janela de vidro enquanto esperam para experimentar a tradicional culinária italiana: massas fresquíssimas, preparadas diariamente por Iang Macedo Nunes, nove opções de saladas e outras tantas de carnes, além de entradas e sobremesas variadas.
     De acordo com a restaurateur, entre as peças de resistência o maior objeto de desejo é a Lasanha Branca (recheada de muzzarella e molho bolognese). No início dos trabalhos, outras duas especialidades à moda azurra mantêm acesa a chama do relacionamento com os clientes: a Focaccia (pão italiano servido com azeite) e a Caponata (berinjela, pimentão, cebola e passas cozidos no azeite). A doçura necessária ao casamento vem em formas variadas, mas o destaque é para o Pave Farfarello (feito com biscoito maisena e creme de leite). A sobremesa, servida bem geladinha, é ótima opção para encerrar as refeições nesta época de calor intenso.
     Além do funcionamento durante toda a semana, com exceção da segunda-feira, outros predicados da casa são a localização e o bom aproveitamento do espaço. Embora esteja no coração de Itaipava, o restaurante é rodeado por uma grande área verde e pelas janelas dos três ambientes pode-se admirar com fartura a natureza. É praticamente como se voltássemos 25 anos no tempo. Com todos os sentidos aguçados, enquanto se experimenta la vera pasta asciutta (como anuncia o cardápio) dá até para imaginar a presença endiabrada do duende na mata ao redor.
Farfarello:
Estrada União e Indústria, 13.470 Itaipava
(24)2222-3120
www. farfarello.com.br
farfarello@bol.com.br

Voltar Próxima matéria


Estações de Itaipava © Todos os direitos reservados