Foto: Henrique Magro


A mostra da artista Marcia Melo entrou em cartaz em fevereiro e pode ser vista até o dia 5 de maio
Foto: Manuela Carreira


Foto: Manuela Carreira


Foto: Manuela Carreira


A escada que dá acesso à galeria é redecorada a cada exposição
Foto: Manuela Carreira
































Foto: Renato P. de Mello

Para a exposição que esteve em cartaz entre fevereiro e abril de 2014, Renato e Venina trouxeram de Prados (MG) o artista Fabio Francino, um jovem escultor que trabalha com papel-machê
Foto: Henrique Magro


Foto: Henrique Magro


Foto: Henrique Magro


Foto: Henrique Magro


Foto: Henrique Magro







Arte em toda parte: obras do escultor Marcelo Lago transcendem o espaço da galeria e ficam expostas também nas áreas externas
Foto: Henrique Magro

Galeria sob medida: para exibir obras próprias de grandes dimensões, o escultor Marcelo Lago montou em Corrêas um espaço aberto ao público, que pode ser visitado apenas com agendamento prévio
Foto: Evaldo Carneiro


Foto: Evaldo Carneiro


Foto: Evaldo Carneiro


Foto: Evaldo Carneiro




Especial

Arte nos distritos

Presentes em toda a cidade, galerias promovem criadores e suas criações

     O crescimento do número de artistas que frequentam Petrópolis e acabam se estabelecendo por aqui é um fenômeno que acontece já há algum tempo. Mas, fora os espaços já consagrados no Centro Histórico e seus próprios ateliês, eram quase inexistentes os locais nos distritos com que podiam contar para divulgar e vender seus trabalhos. Hoje, felizmente, essa realidade começa a se transformar.
     A abertura da Galeria Sra. Serafina em Itaipava, em dezembro de 2013, que veio juntar-se na meritória atividadeà Galeria Venina, funcionando em Pedro do Rio desde 2008, é um bom sinal de que a escassez de espaços especializados em arte, em suas mais diferentes manifestações, está com os dias contados. Uma ótima notícia para artistas, que ampliam sua visibilidade, e, sobretudo, para o público, que cada vez mais poderá conhecer de perto a rica produção local, além de trabalhos de artistas vindos de outras cidades brasileiras.
     Com características peculiares, o espaço montado pelo escultor Marcelo Lago em Corrêas para a exposição permanente de suas obras é outro motivo de comemoração para apreciadores das artes plásticas. Agora, é torcer para a moda pegar e se espalhar por toda a região.


Sra. Serafina
     Instalada no segundo piso da loja de decoração de mesmo nome, a galeria Sra. Serafina ocupa uma área de 200m2, sem paredes e favorecida pela iluminação natural. O grande salão, dotado de estruturas metálicas no teto, lembra antigas fábricas abandonadas comumente transformadas em ateliês ou galerias nos EUA e em países europeus.
     O estilo que a proprietária procura imprimir ao espaço, inclusive, é inspirado naqueles que se vê em cidades do velho mundo: “a galeria nasceu da ideia de dar oportunidade a todos de visitar um espaço cultural moderno, nos moldes de Barcelona, em que só a obra merece destaque”, afirma Manuela Carreira.
     Da inspiração em outra cidade europeia veio mais uma atividade planejada por Manuela para atrair o público para as mostras. Uma vez por mês, sempre aos sábados, a artista plástica gaúcha Miau Compagnon, especialista em retratos, dá expediente na varanda da Sra. Serafina, reproduzindo em telas fotos dos visitantes, como fazem os artistas do boêmio bairro parisiense de Montmartre. Com este mesmo formato, em que o público acompanha a progressão da obra, idealizou ainda sessões, também aos fins de semana, em que o grafiteiro Rodrigo CB apresenta seus trabalhos.
     Manuela diz não ter pretensões de ser uma galerista e que o espaço foi montado para agregar valor à sua loja, assim como para contribuir com o lazer e a cultura de Itaipava. “Outro objetivo é que a arte vá para a casa das pessoas, acredito que todos, sem exceção, podem ter uma obra. O que faço é um trabalho comercial, com todo o apoio de loja que posso oferecer: cartão de crédito, parcelamentos e outras facilidades, além de uma clientela já formada que aproveita para ver as exposições quando vem aqui”, analisa.
     A julgar pelo sucesso da primeira exposição – de peças de Evandro Jr., conceituado artista local – a estreia foi com o pé direito. No período em que a mostra esteve em cartaz, cerca de dois meses, mais de 60 dos trabalhos expostos foram vendidos. No final de fevereiro de 2014, outra artista, a pintora e moradora de Itaipava, Marcia Mello, já ocupava a galeria, que está com a programação completa até outubro deste ano. A exposição das multicoloridas telas de Marcia fica por lá até o dia 5 de maio. Na sequência, apresentam seus trabalhos a escultora Madja Mesquita (5 de julho a 6 de agosto) e o pintor alemão HeikoRoschke (9 de agosto a 10 de setembro).


Galeria Sra. Serafina:
Estrada União e Indústria, 10.673 Itaipava
(24) 2222.6373
manuela@manuelacarreira.com.br











Galeria Venina
     O segundo pavimento de um sobrado que acaba de completar 100 anos, e onde funciona também a Pizzaria Pós-Caipira, foi inaugurado com a mostra Matisse em tecido, série de obras da artista que dá nome à galeria e divide com o marido Renato Peixoto de Mello a administração da pizzaria. Na ocasião, todos os quadros – reproduções de telas do pintor francês produzidas em tecidos, linhas e outros materiais aplicados sobre panos – foram vendidos.
     Desde então, a galeria não parou mais e hoje soma em seu portfólio uma série de mostras de artistas locais, com suas mais diversas expressões, e ainda trazidos pelo casal de outras cidades, a exemplo de Fabio Francino, de Prados (MG), que esculpe em papel-machê e teve sua mostra em cartaz de fevereiro a abril deste ano, com a venda de mais de 50% das peças apenas na noite de abertura. Em seguida, ocupa o espaço a fotógrafa Rachel Prado, brasileira radicada há 30 anos em Los Angeles.
     A Galeria Venina tem cerca de 150 m2 de área, dividida em oito salas. “A presença das paredes facilita bastante, não é necessário instalar divisórias ou painéis para pendurar as peças. E como algumas salas são amplas, a galeria pode também abrigar obras maiores como instalações, já chegamos a expor uma das florestas em tear da artista Vera Patury, ou telas de grandes dimensões”, observa Renato.
     Muitos artistas conceituados da região já expuseram ali seus trabalhos, que variam de quadros e esculturas a móveis, instalações e mostras multimídia, como a de Mario de Aratanha, com fotos e vídeos, que incluiu ainda uma projeção na área externa do sobrado. Para Renato, uma dos pontos mais gratificantes é o retorno que vem deles: “quando chamamos o Vitor Lemos para expor, ele disse que estava pintando pouco e, com o convite, teve um grande incentivo para aumentar a produção; ou seja, a gente acaba sendo responsável por uma injeção de adrenalina no artista”.
     Mesmo antes do sobrado ter seu segundo piso oficializado como galeria, a pizzaria já reunia obras em mostras coletivas. No início dos anos 90, uma exposição reuniu os cartuns de Lan, cerâmicas de Fernando Abreu e esculturas de Guedes, além de acrílicos e óleos de Paulo Villela e Roberto B. Cruz. Foi o pintor e arquiteto Roberto Cruz, inclusive, quem batizou a galeria. Ao ser convidado para uma individual logo após a mostra Matisse em tecido, impôs como condições que o espaço fosse batizado como Galeria Venina e que a artista reproduzisse em tecido seu quadro Um choro para Carolina. As duas obras abriram a exposição e até hoje enfeitam as paredes da pizzaria.
     A galeria organiza cerca de quatro exposições anuais e terá o calendário de 2014 encerrado por sua proprietária. A mostra acontecerá no segundo semestre, ainda sem data marcada, e exibirá a mais recente série de Ve­nina: interpretações de quadros pós-impressionistas.


Galeria Venina:
Estrada União e Indústria, 19.668 Pedro do Rio
(24) 2223.1286
www.poscaipira.com.br

























Marcelo Lago
     Para ampliar a visibilidade de seu trabalho, o escultor Marcelo Lago, integrante da Geração 80, montou em sua própria casa o que chama de “espaço expositivo”. Com entrada independente da residência e área de aproximadamente 80m2, o salão foi a forma encontrada pelo artista para exibir suas peças, a maioria de grandes dimensões, para potenciais compradores.
     “De outro modo, não teria como mostrar as obras, meu trabalho carrega em si a sina do peso e da matéria; não é como as pinturas, que podem ser facilmente transportadas”, declara o escultor, que trabalha com diferentes materiais e participou da comentada mostra coletiva Como vai você, Geração 80?, organizada na Escola de Artes Visuais do Parque Lage, Rio de Janeiro, em 1984.
     A galeria é reorganizada com frequência; em geral, quando uma nova obra é concluída ela é exposta ali. Eventualmente, o espaço é também utilizado por artistas que recebem orientações de Marcelo em seu ateliê e também por seus filhos Pedro e Fernanda, que seguem a carreira do pai nas artes plásticas.
     Futuramente, o artista pretende dar nova utilização ao espaço montado em 2011 e aberto ao público apenas com agendamento prévio.“Estamos com a ideia de fazer um intercâmbio com minha amiga e artista plástica Ana Duraes, que tem uma linda casa do século XIX em Santa Tereza, no Rio de Janeiro, onde está abrindo uma galeria de arte contemporânea”, planeja o escultor.


Marcelo Lago:
Estrada União e Indústria, 19.668 Pedro do Rio
(24) 2221.1147
98808.3698
www.marcelolago.com.br
lago.marcelo@gmail.com



Voltar Início


Estações de Itaipava © Todos os direitos reservados