Bom gosto e originalidade: pontos fortes da produção artesanal de Gigi


A rusticidade das ferramentas se contrapõe à delicadeza do produto final


A ourives, que conta com a colaboração de apenas uma ajudante na oficina, não se abstém de participar de qualquer etapa do processo artesanal aplicado para a confecção das joias

Ao mestre com carinho: em um cantinho do ateliê, Gigi reproduziu fielmente a banca de trabalho de Gustavo Wider

Moldes, ferramentas e até mobiliário da antiga Jopebras são utilizados até hoje na oficina

No “coração da oficina”, como gosta de chamar, a ourives reúne mais de mil moldes


Fotos: Henrique Magro

Negócios nas alturas

É luxo só



     Um trabalho meticuloso – que envolve criatividade, precisão, dedicação e, sobretudo, bom gosto – é o que realiza a designer e ourives Gigi Chaves em seu ateliê, localizado em Araras. Perita na arte de criar e fabricar joias, ela é hoje uma das poucas profissionais do mercado que ainda se utilizam de processos puramente artesanais, colocando ela mesma a mão na massa em todas as etapas do processo, para produzir os acessórios que comercializa e ainda materializar o sonho de 10 entre 10 mulheres: peças exclusivas, feitas com materiais nobres e design de qualidade.
     Seus artefatos em prata e pedras preciosas ou semipreciosas são fruto da experiência que acumulou ao longo de 27 anos dedicados à arte da ourivesaria e das referências que traz estocadas desde que, aos 13 anos, se iniciou no ofício pelas mãos de Gustavo Wider, que ela, carinhosamente, chama de “meu criador”. Foi na empresa do mestre, a Jopebras, uma então fornecedora exclusiva da gigante do setor H.Stern, que aprendeu as técnicas que hoje domina com maestria e aplica com o uso dos mesmos equipamentos da extinta oficina, herdados quando empresa foi desativada.
     Embora tenha uma grande experiência também na produção de joias em ouro, atualmente a ourives só produz em prata. Mas não qualquer uma. A prata usada por Gigi é de uma liga 950, ou seja, aquela com o mais alto grau de pureza possível. “Nenhum dos metais pode ser trabalhado se estiver totalmente puro, precisamos fazer uma liga para garantir a maleabilidade do material; no caso das joias em prata, as de qualidade superior têm uma dosagem de 95% de prata pura e 5% de cobre”, explica.
     Segundo ela, são três diferentes processos disponíveis para a confecção das peças. “A joia pode ser feita à mão e ainda por meio de fundição ou estamparia; o processo é escolhido de acordo com o tipo de peça a ser confeccionada”, comenta. Para a produção de anéis, brincos, pingentes, colares, pulseiras e outros a sequência de procedimentos, basicamente, é: derreter a prata, laminar, cortar, soldar, apurar e polir. Mas, como cada tipo de peça exige um tratamento especial, a combinação de outras técnicas é também utilizada.
     Gigi não sabe definir ao certo o volume de sua produção mensal ou medi-la por outros períodos de tempo, pois, assim como as técnicas aplicadas, também o tempo que consome para concluir as peças sofre grande variação, uma vez que determinadas joias são muito mais trabalhosas do que outras. E a procura não é apenas por produtos, mas também por serviços. Ela costuma confeccionar joias por encomenda de clientes e ainda realizar consertos para elas.
     As peças da designer já chegaram até o Projac e ganharam a admiração de figurinistas, que os incluíram em produções como “Malhação”, “Show da Xuxa” e “A Turma do Didi” e ainda em longas metragens estrelados pelo trapalhão.
     Seu diferencial está não apenas na qualidade e beleza das joias, mas no atendimento atencioso a quem quer que visite sua oficina. Ali ela montou um espaço para homenagear o mestre, que a visita regularmente, com uma estação de trabalho – ou banca, como prefere - rigorosamente igual a que Wiber utilizava em sua ourivesaria.
     Quem define bem a empresária e suas criações é a diretora comercial da Estações de Itaipava, Adriana Magro: “Gigi é uma pessoa rara e preciosa, assim como as matérias-primas de seu primoroso trabalho; ela imprime toda a sua sensibilidade nas peças, por isso são tão lindas”. Impossível discordar!
Gigi Chaves – Joias de prata:
(24) 2225.0205
2225.1987
98821.0833
99209.8141

gigi.joias@ig.com.br



Voltar Próxima matéria


Estações de Itaipava © Todos os direitos reservados