No projeto de teto verde de Daniela Infante para uma residência em Itaipava, que inclui um minigolfe, o cálculo realizado ainda no projeto arquitetônico permitiu a aplicação de uma camada de 35 cm de elementos de drenagem e substratos, o suficiente para a colocação do gramado e de plantas herbáceas, com sistema radicular pequeno, e algumas poucas do tipo arbustivo



Uma sala de estar íntima a céu aberto é a proposta do Studio da Mata para a residência de Araras. O casal Alexandre Sodré e Rita Ribeiro, assinam o projeto arquitetônico e paisagístico, que inclui o teto com grama esmeralda, anexo à cobertura da suíte do casal, com acesso exclusivo por este cômodo



No projeto assinado por Andrés Cebrián, em Itaipava, a casa modular com estrutura metálica pré-fabricada, recebeu a cobertura verde sobre a laje dos quartos para proporcionar temperaturas mais amenas aos cômodos e ainda para que a residência, com bastante utilização de vidro na construção, ficasse incorporada à paisagem





Passo a passo do projeto do escritório Ribeiro & Gaspar para uma residência em Teresópolis: laje impermeabilizada e com o dreno, argila expandida e terra sobre a manta geotêxtil (Bidim), que permite a passagem da água e bloqueia a de terra para que o dreno não seja entupido Fotos: Divulgação

O projeto de Ribeiro & Gaspar foi concluído com a colocação de Grama Amendoim, Pelo de Urso, Bromélias, Agaves, Ísis e Liriopes – “plantas escolhidas por sua adequação ao clima e a região (Tropical de altitude), adaptação a solos de pouca profundidade, a natureza circundante e a estética a que queríamos chegar”, comenta Cecília Foto: Divulgação

Fotos: Henrique Magro




Lar, doce lar

Ecotelhados

Funcionalidade que privilegia o meio ambiente e favorece a estética das construções

     Um belo jardim sobre o lar, quem não gostaria? Pois saiba que este é um desejo bem mais fácil do que muitos imaginam de ser concretizado. Conhecido também como jardim suspenso ou telhado verde, o ecotelhado vem a cada dia ganhando mais adeptos.
     E não é apenas por sua beleza ou por modismos efêmeros; entre outros predicados, o revestimento vegetal instalado em coberturas de casas ou prédios cumpre a nobre função de contribuir para a saúde do meio ambiente ao promover a redução da poluição do ar pela retirada de carbono da atmosfera, além de propiciar inúmeros benefícios, como conforto térmico e acústico para ambientes internos e maior durabilidade dos prédios pela diminuição da amplitude térmica.
     Isso sem falar que esta alternativa aos telhados convencionais tem múltiplas funções, que vão bem além do paisagismo. Um teto verde pode abrigar áreas de lazer, hortas, herbários e até algo inusitado como um minigolfe com piso gramado.
     “O telhado verde começou a ganhar força no Brasil de uns três anos para cá e acredito ser algo que veio para ficar, pois se trata de uma ferramenta eficaz dos arquitetos para soluções em seus projetos”, afirma Daniela Infante, do Arteiro, empresa paisagística de Itaipava.
     No Brasil existem atualmente diferentes tecnologias que propiciam a instalação de um jardim suspenso de forma simples e eficaz e com custos bastante razoáveis. Esta é uma das razões do crescimento de sua utilização por aqui, de acordo com a paisagista.
     “O teto verde sempre existiu, ele não é nada além de uma laje com terra, substrato e plantas. Nos últimos anos, entretanto, houve um avanço em termos de metodologias para drenagem e também dos substratos. Hoje temos no mercado várias marcas de substratos mais adequados à retenção de umidade e também de menor compactação; com isso se ganha na questão do peso e do volume, que não podem ser muito grandes por questões estruturais, e, no consequente barateamento dos projetos”, descreve a paisagista.
     A arquiteta Cecília Gaspar, que trabalha em parceria com Patrícia Ribeiro, no escritório de Itaipava Ribeiro & Gaspar, aponta a necessidade de observação de detalhes importantes. “Devemos ter a preocupação técnica com a impermeabilização eficiente da laje, a drenagem das águas, a manutenção da umidade sob a terra, controle do peso por metro quadrado sobre a laje e adequação das espécies de plantas escolhidas ao clima e a região”, recomenda.
     Os custos de instalação dependem do sistema e tecnologia adotados, mas, de acordo com Andrés Cebrián, da TAODESIGN Arquitetos & Associados, de Itaipava, os tetos verdes costumam ser mais baratos que os telhados convencionais. “A economia é de cerca de 50% se compararmos a uma construção dotada de telhado, além da laje; e, ainda que o projeto inicial não previsse uma laje, a opção pela instalação do teto verde poderia baratear os custos em aproximadamente 30%”.
     A amortização do investimento também se dá pela economia de energia, já que o ecotelhado propicia temperaturas mais amenas no interior do ambiente, e pela ampliação da vida útil de uma cobertura, uma vez que a do tipo convencional implica manutenção periódica devido à ação de fatores climáticos. Estudos indicam que com o uso de coberturas vivas seja possível melhorar em 90% as condições térmicas no interior da edificação, sem recorrer a sistemas de climatização artificiais.
     Sua capacidade de manter as construções protegidas de temperaturas extremas pode ser verificada especialmente nos dias mais quentes, quando a temperatura pode ser reduzida em até 3ºC. Outro benefício está na atuação das plantas e da terra do telhado. Esses elementos funcionam como um filtro natural da água, que pode ser armazenada ainda mais limpa para utilização na irrigação do jardim, nos sanitários e no chuveiro, por exemplo.
     Se todas essas vantagens não forem motivo suficiente para a adoção de um telhado verde, resta ainda um argumento: em uma edificação com este tipo de cobertura o que não falta é estilo!


Arteiro:
Estrada União e Indústria, 11.407 – Itaipava
(24) 2222.3013/2222.1172
www.arteiro.com.br

TAODESIGN & Arquitetos Associados:
Estrada União e Indústria, 11.590- Itaipava
(24) 2222.6222
www.taodesign.arq.br

Studio da Mata:
Estrada União e Indústria, 11.255 - Itaipava
(24) 2222.4634
www.studiodamata.com.br

Ribeiro & Gaspar Projetos e Reformas: Patrícia Ribeiro:
(24) 99292.5454

Cecília Gaspar:
(21) 98846.2805
arquitetura@ribeirogaspar.com.br



Voltar Início


Estações de Itaipava © Todos os direitos reservados