A simpática casa do Valparaíso abriga uma infinidade de cursos e atividades


Um toque parisiense no bistrô decorado com peças de família reunidas pela proprietária


Foto: divulgação
Os roteiros culturais incluem viagens a diferentes países europeus

O cineclube tem capacidade para 13 pessoas e apresenta filmes que não costumam frequentar os grandes circuitos comerciais

Foto: divulgação
Cursos com temas como “História do Cinema” são ministrados pela professora Lilia Monteiro; na foto, cena emblemática do filme Tempos Modernos, de 1936, roteirizado, dirigido e estrelado por Charles Chaplin


A fotografia também está entre os cursos livres do CEAC. Na foto, de boné, Carlos Marinho com alguns de seus alunos

Foto: divulgação
Em aulas práticas e teóricas, alunos aprendem técnicas de audiovisual com Victor Klier, na foto, “escondido” atrás da câmera


Fotos: Henrique Magro

Especial

CEAC

Cultura e capacitação ao alcance de todos

     Um instituto integralmente dedicado à cultura e a disseminação do saber e que ainda oferece consultoria empresarial para apoio a departamentos de Recursos Humanos, além de abrigar um autêntico bistrô. Assim é o Centro de Estudos sobre o Atual e o Cotidiano (CEAC), idealizado e mantido pela psicóloga Marília Dantas, que se inspirou em um laboratório de sociologia que realizou em Paris, no Centre d`Etude sur l`Actuel et le Quotidien, da Universidade Sorbonne, para realizar e nomear o projeto, que resume como a “casa dos saberes empresariais, artísticos e culturais”.
     E a denominação adotada pela proprietária, que é também professora de francês formada pela Universidade de Nancy (França), não é à toa. Na simpática casa do bairro do Valparaíso, em Petrópolis, onde o centro funciona há três anos, são oferecidos escola de idiomas; com cursos de alemão, espanhol, francês, inglês, italiano, japonês e russo; uma intensa programação de oficinas e cursos livres, voltados para diferentes temas como audiovisual, cinema, filosofia, fotografia, gastronomia, história, literatura, RH e psicanálise, entre outros; e um cineclube dedicado a filmes de arte que, geralmente, não integram os grandes circuitos comerciais.
     Através do instituto, em parceria com operadoras de turismo, Marília organiza também viagens culturais para diferentes destinos e atua como guia dos grupos. O segmento de turismo, inclusive, é o mais novo alvo do CEAC; com o chef Alessandro Vieira, o Barão, amigo de longa data e sócio de Marília desde 2014, a psicóloga está elaborando um projeto para a capacitação e qualificação de mão de obra específica para o setor. “Nossa ideia é montar uma escola para a formação de profissionais que atendam com qualidade a empresas dos ramos de hotelaria e gastronomia, uma vez que a vocação da cidade é essencialmente turística, mas ainda há carência de profissionais bem treinados para a atuação nessas áreas”, avalia.
     De acordo com ela, a cidade tem tudo para ser um destino turístico comparável aos maiores do mundo, mas faltam iniciativas como, por exemplo, as caminhadas – ou baladas, como prefere chamar – comuns em países da Europa. “As baladas são realizadas pelos pontos históricos e, muitas vezes, incluem atores caracterizados como personagens de época e guias que contam suas histórias; em Petrópolis isso seria espetacular, imagina as baladas na Av. Koeler?”, indaga. Futuramente, a psicóloga pensa em incluir atividades como esta no já sortido rol do CEAC.
     Para a aprendizagem de idiomas, o centro conta com turmas montadas e oferece ainda a possibilidade de aulas particulares. Todos os professores são nativos de países cujos idiomas ensinam ou, pelo menos, moraram neles. Corinne Pelissier é um os exemplos. Nascida na cidade francesa de Saint-Étienne, na Bourgogne, morou em alguns países como Iraque, Irã, Argélia e Suíça e em 1981 mudou-se com a família para o Brasil.
     Hoje, além de dominar cinco idiomas e lecionar francês, está também à frente do Aïoli, bistrô inaugurado em 14 de julho de 2014; não por coincidência, a mesma data em que se comemoraram os 225 anos da Tomada da Bastilha, evento que marcou o início da Revolução Francesa. Em dois diferentes ambientes – um externo, que transmite a atmosfera aconchegante da Provence, e o interno, com toques mais sofisticados como os das casas parisienses – o Aïoli Atelier de Cuisine apresenta culinária típica de bistrô, com um mix de tradição e contemporaneidade adotado por Corinne no preparo de quiches, crepes, omeletes e outras especialidades servidas de segunda a sábado a partir de 17h30. Aos sábados, o cardápio é ainda acrescido de outros pratos tradicionais da França, como Boeuf Bourguignon e Coq au Vin.
     É no espaço do bistrô que acontecem também as oficinas ministradas pelo chef Barão. As duas primeiras – com o tema “pratos de verão”, em janeiro, e “sobremesas gourmet”, em março – tiveram lotação esgotada e acabaram por gerar uma nova linha de atuação para o CEAC. “Estamos lançando produtos Aïoli/Barão, além de serviços como consultoria de cardápios para restaurantes e hotéis, eventos empresariais, festas de confraternização e casamentos”, relaciona Marília.
     Sempre em sistema de parcerias, os profissionais reunidos pela empresária na “casa dos saberes” acabam por assumir múltiplas funções, a exemplo de Lilia Monteiro. Formada em cinema, em Minnesota (EUA), ela é a responsável pela coordenação do cineclube, por cursos sobre o tema e ainda por aulas de inglês.
     Com o objetivo de formar apreciadores de cinema e difundir a cultura cinematográfica associada a uma abordagem pedagógica, o cineclube funciona com ses­sões às quartas, quintas e sextas-feiras, com ingressos bem em conta. Os filmes selecionados por Lilia são organizados em ciclos temáticos, com foco voltado para assunto, movimento artístico ou diretor, de forma a permitir a construção de uma visão de conjunto sobre o tema tratado. Após cada sessão, debates são estimulados para promover a discussão sobre diferentes aspectos do filme exibido e ainda para fornecer informações sobre sua importância histórica e seu diretor.
     Para ministrar os cursos livres, Marília também procurou profissionais gabaritados. Como exemplos, Victor Klein (audiovisual), Carlos Marinho (fotografia), Nilton dos Anjos (filosofia) e Felipe Simas Rabello (literatura), além de Giselle Rabelais e Carolina Moreira Torres, que dividem com ela os cursos ligados à psicanálise. Mas faz questão de frisar: “embora a maioria acumule uma série de títulos acadêmicos, todos são muito acessíveis”.
     A escolha por este perfil de mestres – assim como pelos temas, formatos e mesmo os valores muito razoáveis cobrados pelas inscrições – tem sua razão de ser, uma vez que o objetivo primordial do CEAC é difundir largamente a cultura. “Nosso sonho é massificar a cultura, fazer com que ela pare de ser vista como um privilégio das elites; precisamos vencer esta barreira que, infelizmente, é histórica no Brasil”, argumenta a psicóloga.
     Embora a diversidade de idiomas ensinados e temas entre cada segmento de cursos seja grande, ela lamenta a presença ainda tímida de petropolitanos e moradores da cidade nas aulas. “Temos muito estrangeiros e pessoas que vem de todas as partes do Brasil entre os frequentadores, mas, não sei por qual motivo, poucos locais”.
     Para se ter uma ideia da variedade, apenas no primeiro trimestre deste ano foram ministrados ali, entre muitos outros, cursos de interesse geral como: “História do Cinema”, por Lilia Monteiro; “Dante e a Divina Comédia”, pelo Prof. Dr. Felipe Simas Rabello; “Teoria e Prática Audiovisual”, pelo Prof. Victor Klier; e “Édipo e Narciso: um cego diante do Espelho”, pelo Prof. Dr. Nilton dos Anjos; além daqueles voltados para áreas específicas como Psicanálise e RH.
     No âmbito da consultoria empresarial, o instituto também desenvolve uma série de diferentes programas e treinamentos que visam à melhoria da eficiência operacional, através do desenvolvimento pessoal e profissional de equipes, em todos os níveis da organização. Recrutamento & Seleção por Competências, Treinamento & Capacitação, Plano de Cargos & Remuneração e Planejamento Estratégico em RH estão entre as soluções, oferecidas e desenvolvidas sob medida para as corporações. Entre os clientes que já utilizaram o serviço, grandes empresas como GE Celma, Mattheis Borg, Orange e outras.
     Para os que ainda não ingressaram no mercado profissional, a CEAC Consultoria disponibiliza a Orientação Vocacional. O processo é realizado em sete etapas que incluem entrevista inicial individualizada, aplicação de testes de aptidão e Q.V.I., inventário de personalidade e apresentação de vídeos sobre profissionais e mercado de trabalho. E mais: além de ser endereço certo para os que procuram ampliar horizontes através da cultura e capacitação profissional, o lugar funciona como um agradável e eficaz espaço de sociabilização. Ao mesmo tempo em que se acumula bagagem cultural, dá para fazer uma porção de novos amigos que compartilham dos mesmos interesses.
CEAC – Centro de Estudos sobre o Atual e o Cotidiano:
Rua Visconde de Uruguai, 344, Valparaíso – Petrópolis
v (24) 2248-8603
www.ceac-petropolis.org
ceac_petropolis@terra.com.br



Voltar Próxima matéria


Estações de Itaipava © Todos os direitos reservados