Fotos: Henrique Magro









Fotos: Thales Leite




Lar, doce lar

Arte no DNA



     A cidade de Petrópolis, que já teve as indústrias têxtil e de cerâmica utilitária como alguns dos principais chamarizes para turistas que não dispensam a “tarde livre para compras”, se diferencia de outros destinos por oferecer bem mais do que suvenires de viagem. Berço de artistas dedicados às mais diferentes manifestações, que nasceram aqui ou elegeram o lugar, especialmente Itaipava e distritos vizinhos, para viver e criar, a região registra atualmente um número representativo de ateliês e uma demanda crescente por espaços especializados em comercializar suas obras.
     Entre as lojas montadas para atender às duas pontas da cadeia, produtores e consumidores, merecem destaque duas que, inclusive, trazem a arte no nome e no DNA. Ambas localizadas na região central de Itaipava, a Arteiro e a Arte da Terra, cujas proprietárias são também artistas, procuram manter em seus estoques o maior número possível de peças de arte e artesanato produzidas localmente, somando ainda a este acervo artigos de decoração e utilidades, sempre com um elemento comum: a qualidade.

ARTEIRO
     Funcionando desde o final de 2016 em um espaço bastante original, a loja da carioca Sonia Infante, localizada na Estrada União e Indústria, ao lado do complexo Granja Brasil, reúne peças garimpadas pela proprietária em ateliês, antiquários e brechós de Petrópolis e de várias partes do mundo, além de oferecer móveis de madeira e outros objetos de decoração, produzidos por ela mesma.
     O Arteiro, uma marca que já acumula mais de 40 anos, está entre as mais tradicionais de Itaipava e foi uma das que inaugurou por aqui o conceito de reunir em um mesmo espaço a produção artística local. Agora instalado em uma construção de 700 m2, formada por 12 contêineres distribuídos em três andares, o empório foi montado de forma rápida e ecologicamente correta. A concepção da loja, projetada em parceria com o arquiteto Alex Antunes, é também da irrequieta Sonia, que construiu em escala a maquete do projeto.
     No interior dos contêineres, dispostos de modo assimétrico e de modo a formar ambientes interligados, encontram-se incon­táveis peças, que vão desde pequenos objetos a grandes esculturas, e incluem materiais como cerâmica, madeira, ferro, tecidos e muitos outros. Tudo muito colorido e de encher os olhos.
     O Arteiro – que começou como empresa de paisagismo, atividade principal de Sonia e também de sua filha, Daniela Infante, e é hoje uma referência local não apenas neste segmento, mas também em decoração – inclui agora uma gama ainda maior de serviços voltados para residências e jardins. Somando-se a estas duas competências, a Aguar, especializada em sistemas de irrigação, e as casas sustentáveis de madeira de demolição. No fundo do terreno, entre a loja e o estacionamento, o escritório das paisagistas, idealizado por Sonia é um bom exemplo de projetos com este moderno conceito.
Arteiro Decoração e Paisagismo: (24) 2222-1172 | 2232-1153













ARTE DA TERRA
     A loja da ceramista Eliana MacDowell nasceu da necessidade detectada pela artista de um espaço que pudesse reunir a grande produção local de obras de arte produzidas com argila. Hoje, depois de dois anos da inauguração – primeiro ela se estabeleceu na Vila Luiz Salvador e há pouco mais de um ano ocupa uma loja no Shopping Estação Itaipava -, entretanto, o que se vê por lá é muito mais.
     Além das peças artísticas confeccionadas com os mais diversos materiais, a Arte da Terra, que tem cerca de 80% do acervo formado por itens produzidos localmente, reúne grande variedade de artigos para decoração e ainda alguns móveis, tapetes, almofadas e bijuterias. A originalidade e o design de qualidade são a condição para que a proprietária aceite os produtos.
     Basicamente, os materiais que se destacam são a madeira, o ferro e o papel machê, mas há também objetos de couro, tecido, pedra e outros elementos naturais. Oficina Ipê, instalada no Vale do Cuiabá (veja quadro) e Oficina de Agosto, de Minas Gerais; além de artistas como Márcia Limmanii, Flávia Santoro e Ivo Ferreira (cerâmicas), Marília Guimarães (bijuterias em couro) e Márcio Sodré (joias em prata) são exemplos da estirpe dos artistas reunidos na sua loja.
     Como conhecedora da arte cerâmica, Eliana faz questão de oferecer aos clientes explicações acerca das técnicas utilizadas em cada peça. De acordo com ela, muitas pessoas que chegam ali sem jamais ter pensado em aprender os métodos de moldagem, queima e pintura da argila, saem decididas a se inscrever em cursos. A proprietária tem ainda planos de fazer pequenas exposições individuais, com a presença do artista, em um espaço intimista no jirau da loja.  
Arte da Terra: Est. União e Indústria, 11.000 | Shopping Estação Itaipava/loja 02 | (24) 99241-5791









































OFICINA IPÊ
     Objetos confeccionados com reaproveitamento de madeira genuinamente brasileira são o foco principal da oficina de marcenaria e tornearia de Cláudio Vasconcelos. O artesão, que, inspirado pelo avô, desde criança já nutria a vontade de trabalhar com o material, começou cedo a praticar o ofício, construindo seu próprio carrinho de rolimã. Com o passar dos anos, foi adquirindo conhecimento acerca das técnicas por meio de cursos como o de Restauração da Universidade Estácio de Sá, que frequentou entre 2007 e 2010; “Coisas de Madeira”, do professor Diego Assis; e ainda aulas de tornearia com o designer Thomaz Brasil, na “Madeira que Gira”.
     No início, Claudio trabalhava a madeira como um hobby e presenteava os amigos com as peças que produzia, mas, incentivado por eles e ainda por seus mestres, montou sua oficina em Itaipava e aumentou a produção. Hoje, o catálogo da Oficina Ipê é composto, basicamente, de trabalhos em tornearia e merece destaque a linha de canetas (tinteiro, esferográfica e rollerball) e lapiseiras artesanais. Todas são feitas com a utilização de metais importados da Alemanha e madeiras provenientes de árvores que morrem naturalmente ou que são derrubadas por motivos emergenciais, além de madeiras de demolição e aparas da fabricação de móveis.
     Além das canetas e lapiseiras – que são acondicionadas em caixas que trazem a descrição da madeira com que foram confeccionadas e a data de produção (que serve como garantia) –, Claudio fabrica ainda objetos como porta charutos, saca-rolhas e tampas para vinho. Outros trabalhos, como luminárias e mesas, também produzidas em madeira, completam o rol de produtos da Oficina Ipê disponíveis na Arte da Terra.
www.oficinaipe.com.br | facebook.com/OficinaIpe


Voltar Próxima matéria


Estações de Itaipava © Todos os direitos reservados