As miniaturas são cheias detalhes, com diferentes formas, cores e texturas, além de charmosíssimas
Foto: Henrique Magro




A sofisticação do instrumento está em sua mecânica perfeita e ainda na riqueza de detalhes


Em uma das etapas do trabalho de restauro do Steinway, a atenção com as inscrições originais gravadas no instrumento
Divulgação


Todas as peças que compõem o mecanismo são substituíveis e a partir de um determinado tempo de uso do instrumento apresentam fadiga


A Essenfelder, fabricante brasileira centenária que havia paralisado suas operações, foi recentemente reativada por um dos herdeiros da família de fundadores da marca associado a uma empresa chinesa
Divulgação


Pianos fabricados na China, país que abriga hoje plantas industriais de grandes marcas, além de investir fortemente na formação de pianistas


Considerado indispensável para a perfeita calibragem do piano de Arthur Moreira Lima, Gustavo integrou o projeto Um piano pela estrada, idealizado pelo músico
Divulgação

Além de afinar o instrumento do concertista, Gustavo fez as fotos que registraram as viagens do caminhão-teatro publicadas na obra O piano e a estrada, do jornalista Marcelo Mazuras
Divulgação















A oficina de Túlio foi matéria da mais conceituada publicação especializada em violinos, a revista inglesa The Strad





O Studio Liutai abriga oficina e escola com cursos livres de luteria
Divulgação


Além de um conjunto específico de ferramentas, a luteria exige conhecimentos em diferentes áreas de quem exerce o ofício
Divulgação





Andreas Hellmann trabalha na oficina do Studio Liutai e tem formação superior em luteria pela Universidade Federal do Paraná


Para o aprendizado consistente da arte da construção dos instrumentos de corda e arco, os alunos da Liutai são aconselhados a fabricar, pelo menos, dois violinos, uma viola e um violoncelo
Divulgação


Túlio Lima trocou a carreira de músico pela de luthier depois de aprofundar os estudos dos métodos tradicionais de construção dos instrumentos
Divulgação


Fotos: Henrique Magro

Especial

A arte de viver da arte



     Não apenas os músicos virtuosos e orquestração primorosa fazem um grande concerto musical. A qualidade dos instrumentos e seu estado de conservação, assim como uma afinação precisa, garante que nada saia do tom e as plateias fiquem embevecidas a cada acorde. Mas, como no mundo dos espetáculos só brilha aquilo que está diante dos olhos, outros elementos fundamentais passam despercebidos pelo público.
     Em Petrópolis, encontramos dois profissionais conceituados que contribuem de forma essencial para que o show siga adiante. Na hora em que os instrumentos precisam daquela calibrada fundamental, o restaurador e afinador de pianos Carlos Gustavo Kersten, carioca que aprendeu o ofício com o pai e herdou sua oficina, e o luthier Túlio Lima, brasiliense que iniciou sua vivência musical como instrumentista e é hoje um profissional internacionalmente reconhecido, são as estrelas.


Kersten Pianos
     Foi na garagem da casa do pai, o técnico em pianos Carlos Kersten, no tradicional bairro da Tijuca, no Rio de Janeiro, que Gustavo, como é mais conhecido, começou a dar os primeiros passos em direção ao que viria a ser uma de suas principais atividades profissionais (ele também é fotógrafo). Com a empresa familiar, a Kersten Pianos, herdou também a prestação de serviços para o mais premiado pianista brasileiro, Arthur Moreira Lima, para quem já trabalha há cerca de 30 anos; com o ilustre cliente e amigo, Gustavo teve, inclusive, a oportunidade de exercer simultaneamente as duas artes a que se dedica: afinação de pianos e fotografia.
     Além de acompanhar o concertista, fazendo a manutenção de seu Steinway no projeto Um piano pela estrada – uma sala de concerto ambulante, montada em um caminhão-teatro para apresentar espetáculos em praças públicas de municípios do interior de todas as regiões do país –, Gustavo é autor de fotos publicadas no livro O piano e a estrada (Casa Maior Editora, 2009), do jornalista Marcelo Mazuras, uma reportagem biográfica de Moreira Lima que inclui o registro de 128 mil Km rodados pela caravana com apresentações em mais de 200 cidades.
     A Kersten Pianos está há aproximadamente meio século no mercado de restauração, reconstrução e afinação de pianos. O fundador, Carlos Kersten, teve seu nome ligado a grandes eventos musicais e a importantes artistas; agora é Gustavo quem mantém a tradição familiar, com a oficina de pianos estabelecida no bairro da Taquara, em Petrópolis. Sua carteira de clientes inclui o Teatro Municipal e a Sala Cecília Meirelles, no Rio de Janeiro, e o Teatro Amazonas, em Manaus, e ainda alguns dos principais artistas do cenário musical brasileiro, erudito e popular, entre eles: Nelson Freire, Eder Paolosi, Bibi Ferreira e Leila Pinheiro.
     Na oficina – que hoje abriga cerca de 40 pianos, entre próprios e de terceiros – são realizados serviços de reconstrução e restauração dos instrumentos, desde modelos mais modernos até os mais antigos e de grande valor histórico, como um Steinway de 1884, que recebe manutenção da empresa desde a época de seu fundador e que hoje pertence a Gustavo. A utilização de peças originais nos trabalhos de recuperação é feita sempre que há necessidade e facilitada pelos contatos frequentes que o restaurador mantém com grandes fabricantes como Steinway, Bösendorfer, Blüthner, Renner e outros.
     Gustavo também inclui entre os serviços da Kersten a compra e venda de instrumentos novos, nacionais e importados, ou usados, que passam por sua rigorosa revisão, como também assessoria para a escolha de um instrumento de boa qualidade, facilitando compras diretas com fabricantes no exterior. A locação de pianos para eventos também integra o rol de serviços e ele se encarrega do transporte até a afinação para as apresentações, facilitando bastante a vida dos clientes.

Kersten Pianos:
(24) 2248.2661 | (21) 99971.5628
www.kerstenpianos.com
escritorio@kerstenpianos.com


































Studio Liutai
     O Studio Liutai também oferece assessoria individualizada para a escolha de violinos, além de outros instrumentos que pertencem a sua família (de corda e em que se utilizam arcos): violas e violoncelos. Com um amplo projeto, o espaço abriga ainda uma escola com cursos livres de luteria, onde o artista Túlio Lima ensina a produção artesanal deste trio de cordas fundamental na formação de orquestras sinfônicas. No Liutai os músicos podem ainda experimentar arcos e instrumentos, novos e antigos, de autores (como são também chamados os fabricantes artesanais) brasileiros e estrangeiros, contemporâneos ou não. Uma seleção de peças produzidas por mãos habilidosas em pequenos ateliês romenos, húngaros, chineses e alemães, também está reunida ali.
     Em sua bem montada oficina, no Quitandinha, o luthier realiza ainda manutenção, regulagem e restauro de instrumentos. Na fabricação, totalmente artesanal, Túlio investe em madeiras importadas e tradicionalmente utilizadas para este fim: o abeto, espécie de pinho oriundo dos Alpes europeus, e o acero, de climas temperados e frios; ambas capazes de conferir o melhor desempenho acústico e estético para os produtos. A seriedade do trabalho que realiza já o levou a figurar nas páginas da mais conceituada publicação especializada no tema, a revista inglesa The Strad (uma menção a Stradivarius), publicada desde 1890. A coluna My Space, em que os artistas apresentam seus espaços de trabalho, da edição de janeiro de 2018 traz a oficina do Liutai.
     Atividade que exige conhecimentos em áreas distintas – música, geometria, artes plásticas, metalurgia e mais – a luteria requer a aplicação de conceitos ligados a estas e outras disciplinas. Quando, além de construir o instrumento, o profissional se dedica também ao restauro, os conhecimentos tem de ser ainda mais amplos, uma vez que este segmento envolve ainda o domínio de utilização de materiais e técnicas específicas, além de conhecimentos acerca de processos históricos e tecnologias de última geração.
     Estabelecido em Petrópolis desde 2009, Túlio sempre manteve laços estreitos com a música. Nos anos 1980, quando começou seus estudos na Universidade de Brasília (UnB) – onde, posteriormente, ocupou o cargo de luthier do departamento de música – se dedicava à prática de instrumentos de sopro e viola da gamba. O primeiro contato com o ofício aconteceu por meio do professor Ataíde de Mattos, violoncelista bem conhecido no Distrito Federal, que montou uma equipe para construir instrumentos de cordas, em busca de qualidade com custo reduzido. Túlio ingressou na trupe e os estudos aprofundados dos métodos tradicionais de construção (ele chegou a se especializar na Itália, na Escola de Cremona, em um curso de cinco anos) acabaram por fazê-lo abraçar a profissão.
     O curso de construção não tem um tempo estipulado, depende da disponibilidade para as aulas e do desenvolvimento individual dos alunos. Para aqueles que podem dispor de tempo e frequentam os cursos com o objetivo de profissionalização, o ideal é seguir a recomendação de Túlio e produzir ao menos um quarteto clássico de cordas: dois violinos, uma viola e um violoncelo. Depois disso, a fórmula é seguir o exemplo do mestre e mergulhar fundo no universo da luteria para, como ele, produzir instrumentos para grandes nomes da música erudita, entre eles: Hugo Pilger, professor de violoncelo da UNIRio; Carla Rincón, violinista venezuelana reconhecida internacionalmente; e Gustavo Tavares, brasileiro radicado em Oslo que ocupa agora a posição de spalla da Orquestra Sinfônica da Noruega.

Studio Liutai:
(24) 4104.0505 | 98144.5758
www.studioliutai.com
violinos@studioliutai.com



Voltar Próxima matéria


Estações de Itaipava © Todos os direitos reservados