Pérola incrustrada no Rocio, a Piccola Arena abriga uma galeria de grandes dimensões


A mostra Caligrafias, de Daniela Versiani, fica em cartaz até o final de outubro


Com dois andares e parte do teto vazada, o espaço é capaz de abrigar grandes instalações


No segundo piso, a ocupação por obras de Maurício de Memória


Artista com vasta produção, Maurício se dedica às artes plásticas desde os anos 1960 e acumula no currículo mais de dez exposições de suas obras


Vista privilegiada para a galeria e para a vizinhança


No Bistrô Divina Sálvia a cozinha é integrada ao bar e ao salão do andar térreo

Entre as especialidades da casa, as massas frescas produzidas ali mesmo
Foto: Mário de Aratanha


A exemplo da rabada, os pratos são fartos e confeccionados com matérias primas vindas do cinturão verde de cultivos orgânicos de Petrópolis
Foto: Mário de Aratanha

Foto: Henrique Magro




Arte & cultura

Piccola Arena

Centro Cultural abriga diferentes manifestações artísticas no Rocio

     Encantamento é o termo que melhor descreve a sensação provocada pelo espaço multimídia de arte contemporânea, que reúne em um mesmo lugar ambientes especialmente projetados para espetáculos de teatro e música, mostras de artes plásticas e experiências gastronômicas. A estrutura conta com ampla galeria de arte de dois andares, em área de 140m2; um teatro de arena ao ar livre e com capacidade para 120 pessoas; e um bistrô, com cozinha tipicamente brasileira, além do ateliê do artista plástico e proprietário do lugar Maurício de Memória.
     O projeto arquitetônico foi delineado para permitir uma perfeita integração entre todas essas linguagens e também com a natureza quase intocada do Rocio. Com uma proposta diferente de todas as que já aportaram por aqui, a programação desenvolvida em parceria por Maurício com a curadora Jeanne Duarte promove a interatividade não apenas entre as diferentes manifestações artísticas, mas também a convivência entre artistas convidados, visitantes, moradores e alunos de escolas locais, em uma verdadeira inserção das comunidades da região no universo da arte e da cultura.
     Na abertura da mostra Caligrafias (em cartaz até o final de outubro), de Daniela Versiani, por exemplo, um show de forró com grupo local animou os convidados, que dançaram em meio às obras. Daniela foi uma das seis selecionadas por um edital de ocupação da galeria aberto a todos os artistas do Estado do Rio de Janeiro para a exposição de seus trabalhos de forma alternada. A grade para o ciclo 2018/2019 contará ainda com Raquel Vargas, Paula Monte, Doug, Fabi Cunha e “M arte”, uma coletiva de mulheres.
     Outro bom exemplo de interação é o trabalho de Paula Monte, que trabalha com esculturas em madeira iluminadas em seu interior e que tem formação também em cinema. Todo o processo da artista terá o acompanhamento de crianças do lugar, que irão participar das diferentes etapas de um filme, desde a confecção do roteiro até a montagem final, durante a ocupação da galeria por Paula. “A ideia, proposta especificamente para cá, tem tudo a ver com o conceito do espaço, uma vez que transporta as crianças do lugar de expectadoras para o de realizadoras”, comenta Jeanne.
     A ideia de atrair membros da comunidade dos arredores está dando certo. “Estamos trazendo coisas que interessem também a eles, além do público já consumidor de cultura, para acabar com o conceito de que arte é coisa para rico. O objetivo é que o espaço seja o coração do Rocio, que pertence a todos; do contrário, se não tivéssemos essa base social, seríamos um quisto aqui”, considera Maurício.
     Outra proposta inovadora é abrir o ateliê de Maurício para artistas residentes, que poderão criar a partir de vivências no lugar, um dos mais agradáveis de Petrópolis e que vem se estabelecendo como um dos melhores para o turismo de experiência, com atrativos para amantes de arte, aventura e gastronomia.
     O Bistrô Divina Sálvia, instalado na Piccola Arena, é um ótimo ponto de partida para uma iniciação à atual gastronomia do Rocio. Além da culinária criativa, confeccionada com ingredientes frescos da região e também com temperos cultivados por Maurício, as influências italianas e francesas estão nos pratos fartos e tipicamente brasileiros. Outro destaque da casa é a cerveja artesanal Rocky Garden, produzida pelos filhos do artista, agitador cultural e professor de história que inaugurou seu espaço multimídia em 2015 e anos atrás já teve seu momento restaurateur, quando foi sócio do memorável Macondo, no Rio de Janeiro.
     As criações gastronômicas, entretanto, ocupam apenas uma pequena parcela de tempo do artista, que tem uma vasta produção em pinturas, esculturas e cerâmicas, expostas em diferentes espaços da Piccola Arena. Nos anos 1960, Maurício frequentou a Escola Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro, enquanto se dedicava ao ensino e à pesquisa da história do Brasil. Exilado em 1965 por força de atividades na militância política, viveu na Polônia e na Itália antes de retornar ao Brasil em 1980 e se estabelecer definitivamente no Rocio. Atualmente divide seu tempo entre a administração do centro cultural e a produção artística.


Piccola Arena e Bistrô Divina Sálvia:
Estrada do Rocio, 3507 - Rocio
(24) 2243.9311
web.facebook.com/piccolaarena


Voltar Próxima matéria


Estações de Itaipava © Todos os direitos reservados